quarta-feira, 14 de maio de 2008

UNE e UBES promovem ato político no Rio pela reconstrução da sede na Praia do Flamengo

Comentário de Otávio Luiz Machado: Qual o motivo dos estudantes brasileiros não estarem informados dos atos da UNE? Quais deputados e senadores assinaram o documento? O estudante não pode cobrar uma explicação do seu parlamentar que está destinando os recursos públicos do seu país para algo que não foi discutido? Também comecei a me incomodar com tal questão a partir da quarta-feira, quando o jornalista foi tratar da atual direção da UNE (União Nacional do Estudante) num parte intitulada “chapa-branca”. Na defesa da UNE nenhum membro da atual diretoria da entidade apareceu ou teve voz, que foi dada à responsável pela reconstituição histórica da entidade, Angélica Muller, que defendeu a forma de relação existente entre a UNE e o Governo Federal, ao afirmar que os antecessores de Lula nunca abriram espaço para ouvi-los. Comete um erro histórico sério, pois Itamar Franco, JK e Jango – para ficarmos em alguns exemplos – não só ouviram mas apoiaram muito a UNE.
Para fazer justiça a um desses ex-presidentes da República que ainda se encontra vivo, é preciso salientar que os primeiros passos definitivos para a retomada do prédio histórico da UNE na Praia do Flamengo foi iniciado durante os entendimentos dos membros da diretoria da UNE, junto a Itamar, ainda em meados dos anos 1990. Ou ainda, os primeiros apoios que resultaram em trabalhos relevantes para a reconstituição histórica da entidade também ocorreu com o apoio de Itamar Franco, que foi materializado no esforço do seu Ministro Murilo Hingel, o que pode ser constatado no pequeno mas importante livro intitulado “Une: reencontro do Brasil com a sua juventude” (MEC, 1994). Através da instrumentalização política da História, a Coordenadora do Projeto Memória do Movimento Estudantil, Angélica Muller, declarou recentemente que Lula foi o único Presidente da República que abriu espaço para ouvir os estudantes. O que é corroborado no livro do mesmo projeto intitulado “Memórias Estudantis: da Fundação da UNE aos nossos dias” (2007), pois em ambas as fontes – só para ficar no exemplo do terreno histórico da UNE – a presença do Presidente Itamar Franco no apoio da iniciativa da UNE some. Todas a história é apagada para trazer a adesão do Presidente Lula ao intento do PC do B. Lula será mais esperto daqueles que o tentam enganá-lo com sorrisos bonitos, de relatórios bem diagramados e de um bando de puxa sacos que irá abandoná-lo no próximo governo. ITAMAR FRANCO sumiu da história da UNE porque não está mais no poder.



FONTE: www.une.org.br
14 de maio de 2008
UNE e UBES promovem ato político no Rio pela reconstrução da sede na Praia do Flamengo


Entidades buscam apoio para viabilizar construção do prédio projetado por Oscar Niemeyer

Nesta quarta-feira (14), às 20h, a UNE e a UBES promovem no Café Lamas, no Flamengo, Rio de Janeiro, um ato político de adesão à campanha "Meu apoio é concreto!", pela reconstrução da sede. O projeto doado por Oscar Niemeyer se constitui em um prédio de treze andares que inclui também um Centro Cultural.

Após recuperação do terreno, em 1º de fevereiro de 2007, as entidades se mobilizam para viabilizar a reconstrução da sede. Uma série de atos já foram realizados. Em todos os casos, diversos líderes políticos e personalidades importantes de setores como cultura e educação e ex-lideranças estudantis apoiaram a campanha. Segundo a diretora de Relações Institucionais, Márvia Scardua, 60% dos congressistas assinaram a carta que foi entregue ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva pedindo a reconstrução da sede.

O ato contará com a presença de personalidades do cenário político, ex-lideranças estudantis, como o prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, e Fernando Gusmão, ambos ex-presidentes da UNE, artistas do lendário Centro Popular de Cultura da UNE e do atual projeto cultural da entidade, o CUCA, todos apoiadores da reconstrução.

Foi no Café Lamas, em 1994, que o então presidente Itamar Franco devolveu a propriedade do terreno na Praia do Flamengo,132, à UNE e à UBES. O fato histórico foi comemorado com um encontro entre Itamar e os estudantes, com a presença do então presidente da UNE, Fernando Gusmão.


Da Redação

Um comentário:

Tatiana disse...

Ser contra a construção do prédio histórico? Só por causa dos 10 milhões? A UNE só precisa construir com recursos próprios